Um dia Vamos Juntas!

Ontem, enquanto membro do coletivo Climáximo, tive o prazer e a honra de participar em mais uma ação de desobediência civil organizada pelo nosso coletivo: Vamos Juntas!

Desta feita optámos por tentar bloquear uma infraestrutura do complexo mais poluente do país, considerando emissões de CO2: A refinaria de Sines da Galp.

Foi um enorme desafio para o coletivo e principalmente para a equipa de coordenadoras mais ligada à logística e recrutamento da ação, visto que esta obrigava a que a maior parte das ativistas se deslocasse 150Km ou mais para chegar à Barbuda, onde iniciou a manifestação que precedeu a ação de desobediência civil, e, ainda por cima, numa ação marcada num dia de semana e em horário laboral. Tudo isto sem esquecer, claro, os números da pandemia, que estão  novamente a aumentar com a chegada hesitante do frio de Outono.

Ainda assim estiveram presentes cerca de 100 manifestantes que conseguiram bloquear a Refinaria durante umas cinco horas, duas das quais com ambas as portas principais bloqueadas. É certo acaba por ser um bloqueio meramente simbólico ou um treino para algo maior, como diz alguém do Climáximo, mas ainda assim foi moralizador para as ativistas que participaram e demonstrou capacidade de mobilização e organização da parte do coletivo, o que é muito importante. Ainda assim, mais importante que o bloqueio em si é o facto de termos recebido um convite para colaborar com a Comissão de Trabalhadores da Petrogal num plano com propostas para a descarbonização da refinaria e para uma transição justa, ou seja, que assegure os postos de trabalho e/ou rendimentos daqueles que trabalham nas infraestruturas que terão que encerrar. Este é um enorme avanço pois demonstra como não somos percebidos, pelo menos a nível institucional/sindical, como inimigos. Já não somos vistos como os movimentos ecologistas dos anos 80 que apenas se preocupava com o fim ecológico da sua luta, descurando as questões sociais, como tão bem descreve o Manuel Afonso neste artigo com o exemplo da caça à baleia na Madeira. E, por outro lado, ainda que ainda possam existir algumas diferenças, verificamos que a comissão de trabalhadores não questiona a necessidade de descarbonização da refinaria, o que também revela um bom passo em frente.

Acabámos por decidir terminar a ação por volta das 18h30 com o sentimento de dever cumprido, porém, com a consciência que estas ações de nada valerão se não aumentarem em número, em dimensão e na diversificação de formas em que poderão revestir. Tudo em nome da procura da maior eficácia possível tendo em vista a mudança de sistema que tanto ambicionamos.

Foi, por isso, uma ótima experiência! Agora venham de lá esses Encontros Internacionais Ecossocialistas em Janeiro de 2022!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s