“Fascismos nunca mais!”: Itália vive dias decisivos, após ataques da extrema direita

País terá atos neste sábado, 16, e eleições municipais, nos dias 17 e 18


Artigo de Marco Mondaini*, publicado originalmente no Esquerda Online a 15 de outubro

A democracia e o mundo do trabalho italianos terão uma dura prova de fogo nos próximos dias, na Itália. Nesta sexta-feira, 15 de outubro, entra em vigor o decreto baixado pelo governo italiano, liderado pelo primeiro-ministro Mario Draghi, que obriga todos os trabalhadores a apresentarem o passaporte sanitário (o chamado Green Pass) comprobatório da vacinação contra a covid-19 nos locais de trabalho.

No sábado, 16 de outubro, haverá dois grandes atos, um em Milão e outro na capital, Roma, com significados políticos absolutamente distintos.

Na milanesa Piazza Fontana, às 17h30 (12h30 em Brasília), a convocação é para um protesto contra o decreto governamental, que, muito provavelmente, contará com a presença dos mesmos grupos de extrema-direita que, no dia 9 de outubro, tentaram sem êxito adentrar a sede do governo italiano (o Palazzo Chigi), mas que conseguiram invadir a sede da maior central sindical italiana, a Confederazione Generale Italiana del Lavoro (CGIL).

Na romana Piazza San Giovanni, às 14h, a manifestação tem caráter antifascista e, sob o slogan Mai Più Fascismi (Fascismos Nunca Mais), reunirá uma massa de trabalhadores convocados pelas três grandes centrais sindicais italianas (além da CGIL, a Confederazione Italiana Sindacati Lavoratori – CISL, e a Unione Italiana del Lavoro – UIL), para protestarem contra a invasão da sede da CGIL e exigirem a dissolução legal de organizações fascistas, como Forza Nuova – principal agrupamento político responsável pelos atos do dia 9 de outubro e que, junto a outras organizações neofascistas, têm se aproveitado das mobilizações negacionistas dos grupos antivacina na Itália.

Por fim, nos dias 17 e 18 de outubro, ocorrerá o segundo turno das eleições em várias cidades italianas, com destaque para a acirrada disputa a ser realizada entre centro-esquerda e centro-direita na capital italiana, que, certamente, sofrerá a influência dos atos de violência praticados pelos neofascistas do dia 8 e da manifestação antifascista convocada por CGIL/CISL/UIL no dia 16.

Na disputa do segundo turno em Roma, estão o professor universitário e ex-ministro da Economia Roberto Gualtieri, do Partido Democrático (centro-esquerda), e o advogado e radialista Enrico Michetti, do Irmãos de Itália, partido de extrema-direita liderado pela deputada Giorgia Meloni, que conta com o apoio dos conservadores, da Liga Norte de Matteo Salvini e da Força Itália de Silvio Berlusconi.

Com isso, talvez não seja exagerado afirmar que boa parte do futuro político da península itálica e da luta contra a ofensiva neofascista no continente europeu encontra-se na dependência da ida da classe trabalhadora a Piazza San Giovanni, no sábado, e na afluência da cidadania em geral às urnas no domingo e na segunda.

Que italianos e italianas em geral e romanos e romanas em particular saibam dizer, pois, em alto e bom som, nas praças e nas urnas: “Fascismos Nunca Mais!”.

*Professor da UPFE e Coordenador do Programa Trilhas da Democracia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s