45 anos do Dia da Terra Palestina: memória e luta

Texto de Roberto “Che” Mansilla, publicado originalmente no site Esquerda Online.

“[…] Registro!
Eu sou árabe!
Eu tenho um nome sem título.
Sou paciente em um país
onde as pessoas se enfurecem facilmente.
Minhas raízes
foram estabelecidas muito antes do início dos tempos,
antes do desenvolvimento da flora e da fauna,
antes dos pinheiros e das oliveiras,
antes que a primeira erva crescesse.
Meu pai descendia de lavradores,
não de classes privilegiadas.
Meu avô era um humilde fazendeiro,
nem bem criado, nem bem nascido!
Ainda assim, eles me ensinaram o orgulho do sol
antes de me ensinarem a ler;
agora minha casa é uma cabana de vigia
feita de galhos e cana.
Você está satisfeito com meu status?
Eu tenho um nome, mas nenhum título!
Registro!
Eu sou árabe!
Você roubou os pomares dos meus ancestrais
e a terra que eu cultivava
junto com meus filhos.
Você não nos deixou nada
além dessas rochas nuas.
Agora o Estado irá reivindicá-los
como foi declarado?
Portanto!
Registre na primeira página:
Não odeio as pessoas
nem me intrometo,
mas se ficar com fome
me banquetearei com a carne do usurpador!
Cuidado!
Cuidado com minha fome
e minha raiva!

Mahmoud Darwish. Carteira de Identidade(1)

Há exatos 45 anos, no dia 30 de março de 1976, as autoridades israelenses anunciaram a expropriação de grandes extensões de terras palestinas por “motivos de segurança” e para a construção de assentamentos para novos colonos sem qualquer conexão prévia com a Palestina, além da identidade religiosa (2) que continuavam a chegar ao norte da Palestina histórica. A resposta do povo palestino foi determinada: iniciaram uma greve geral e grandes manifestações de protesto sacudiram as localidades na Palestina ocupada. 

Na repressão sangrenta que se seguiu, seis palestinos foram mortos pelo exército sionista e centenas foram presos ou feridos. Desde então, o dia 30 de março ficou conhecido como o Dia da Terra Palestina, uma data que simboliza a luta do povo palestino pelo Direito ao Retorno, aos seus lares originais e às suas terras de cultivo.  

O presente artigo tenta contribuir para recuperar o significado histórico desse dia de luta do povo palestino e também recuperar alguns dos principais traços de colonização e limpeza étnica cometido há mais de 70 anos por um Estado opressor contra um povo que, apesar de toda a violência sofrida, permanece de pé, ousando ser visibilizado com sua resistência política e sua tradição cultural.

Uma história que precisa ser recuperada

“Amanhã… os velhos vão morrer e os jovens vão esquecer”. Esta frase foi dita por David Ben-Gurion, uns dos fundadores do Estado colonialista israelense durante o momento em as gangues sionistas que estavam ocupando as terras da Palestina realizavam a parte mais importante da limpeza étnica da população autóctone. Era o início da Al-Nakba (a “Catástrofe”) levando a expulsão de cerca de 800 mil palestinos que foram deportados para os países árabes vizinhos e passaram a viver como refugiados. Hoje eles são mais de 5 milhões de pessoas, a maioria vivendo em precários campos ou bairros pobres, segundo informações das Nações Unidas. (3)

A tragédia quase invisibilizada dos refugiados palestinos é um dos mais antigos casos de migração forçada da História e uma das maiores limpezas étnicas conhecidas da era moderna. Apenas como exemplo, gostaria de “dar voz” a um jovem palestino, testemunha desse terrível drama que continua sem solução. Trata-se de Mouhmad Izhaman, que passou sua infância em um campo de refugiados em Tulkarm, na Cisjordânia. Vivendo entre o medo a atípica normalidade ele lembra: 

“Nasci num campo de refugiados onde o que menos se tem é segurança. De certo ponto de vista, minha infância foi normal, mas ser normal no Oriente Médio significa conviver com a guerra. Bombas estouram, pessoas morrem e nossa rotina estava submersa nesse cenário. Morava a 20 minutos de Jerusalém, mas cresci como um estranho e distante vizinho que de alguma forma vive no mesmo território, mas não compartilha da mesma vida, da mesma história. Meu mundo, apesar de próximo, nunca foi o mesmo dos meninos judeus”. (4)

Não é exagero afirmar que o Estado colonialista de Israel estabeleceu um regime de apartheid legalizado na Palestina ocupada, similar ao que havia na África do Sul. A diferença é que neste último, em 1990 com a libertação de Nelson Mandela e, devido as grandes mobilizações da maioria da população sul-africana, esse regime foi derrotado. Mas, na Palestina ocupada, esse regime continua sendo implementado. Isso pode ser constatado citando três exemplos de como vivem (ou sobrevivem) os palestinos, sob dominação israelense. Com base num ótimo e importante artigo escrito há três anos para o site Esquerda Online, (mas que continua pertinente em suas informações), destaco as seguintes observações: (5) 

  1. Palestinos da Cisjordânia: submetidos à presença cada vez mais agressiva de centenas de milhares de colonos judeus e submetidos à legislação da ocupação, herdada do Mandato Britânico.
  2. Palestinos de Jerusalém Oriental: são cerca de 300 mil que mesmo possuindo residência permanente, não são considerados cidadãos, vivendo a ameaça constante de perda desse status. Israel procura tornar a vida dos palestinos da maneira mais  miserável possível para forjar uma maioria judaica na região.
  3. Palestinos de Gaza: ocupam o patamar mais baixo na hierarquia de opressão do Estado colonialista de Israel. Mesmo sendo um pequeno pedaço de terras tornou-se uma das maiores densidades populacionais do mundo, com pessoas, vivendo em terríveis condições de vida, agravadas pelo bloqueio israelense que desde 2007 (como retaliação a vitória eleitoral do Hamas) cria dificuldades de abastecimento de produtos básicos, como remédios e comida para a população de Gaza. O tráfego terrestre aéreo e marítimo ainda são ferreamente controlados pelo exército de Israel. Trata-se de uma grande prisão a céu aberto com 2 milhões de palestinos.
  4. Os milhões de refugiados e seus descendentes em sua maioria habitam em precárias condições nos países árabes vizinhos, a poucos quilômetros de suas terras expropriadas pelo estado sionista. (6)

Vale destacar que os palestinos que vivem em Israel possuem direitos civis limitados, mas não direitos nacionais, e são discriminados na distribuição de verbas, na moradia, na saúde e na educação. 

Todavia, a frase que Ben-Gurion disse poderia resumir o plano da ocupação para construir seu grande projeto, sua aposta era que o povo palestino esqueceria sua terra com o passar do tempo, mas os anos provaram o contrário e todo palestino ainda exige seu direito de retornar à sua cidade ou vila original na Palestina.

O 30 de março de 1976: o “Dia da Terra Palestina”

Passados nove anos desde a Guerra de 1967 que significou a ocupação dos territórios de Gaza e Cisjordânia que se uniram no processo de expansão israelense sobre as Colinas de Golã, na Síria e da Península do Sinai egípcio, a sociedade palestina dentro das fronteiras de 1948 de Israel, esgotada de violação de seus direitos essenciais, convocou uma greve geral. Era uma forma de mobilização diante da decisão de Israel de confiscar cerca de dois mil e quinhentos hectares de terras, pertencentes à população que originalmente habitava ao norte da Palestina histórica (na Galileia) por “razões de segurança” e para realizar novos assentamentos visando atender novos colonos judeus, recém-chegados.

O exército de Israel interveio, assassinando seis jovens grevistas e causando um grande número de feridos e presos. Desde então, esse dia passou a ser lembrado como o Dia da Terra Palestina, o primeiro momento que houve uma resistência de massa contra o colonialismo do Estado de Israel dentro das fronteiras de 1948.

Cada 30 de março, desde 1976, passou a ser a lembrança dos mártires da resistência palestina que voltam a ser lembrados nos corações das novas gerações, carregando a bandeira palestina e plantando oliveiras como um símbolo para expressar seu vínculo com a terra e com a identidade nacional, da existência de todas as gerações da Palestina. 

Dia da Terra Palestina é colocar em permanente visibilidade os direitos do povo palestino (reivindicada em seu direito ao retorno) sacrificados em função da ideologia sionista de Israel e dos interesses geopolíticos do imperialismo estadunidense e dos governos reacionários árabes, em especial o da Arábia Saudita. É um momento de denunciar os crimes do Estado de Israel que segue roubando terras palestinas (7), segue massacrando sua população, demolindo suas casas, destruindo seus cultivos, impedindo sua expressão cultural e sujeitando aos palestinos a leis discriminatórias.

É possível esquecer que, em 1948, 800 mil palestinos foram expulsos de sua própria terra?

Mas também é um momento de lembrar que a intifada popular é a resposta natural de autodeterminação ao apartheid sionista e seguirá sendo a bandeira da dignidade e da libertação e também da enganosa e injusta ideia da opção pelos “dois estados” tão convenientemente defendido pela visão ocidental, mas que ignora os Direito do povo palestino ao Retorno. É possível esquecer que, em 1948, 800 mil palestinos foram expulsos de sua própria terra? (8)

Nesses 45 anos que celebram o Dia da Terra Palestina lembramos, por fim, as palavras de Ramón Pedregal Casanova quando diz que é um dia:

“de celebração do amor humano a um passado e um presente sempre em luta. É um dia de todo um calendário de homens e mulheres, de qualquer idade, para afirmar seu amor pela Palestina. É um dia escrito com sangue e dor quase permanente por que os inimigos não param em tirar a vida do povo palestino”. (9)

Viva o Dia da Terra Palestina! Viva a Palestina livre!


*Professor de História da rede municipal do RJ e militante da Resistência/PSOL 

NOTAS

1 – Mahmoud Darwish (1941-2008) foi um renomado poeta palestino exilado. Também é considerado uma referência política da causa palestina. Para maiores informações de sua vida, bem como da parte do poema citado (entre outros) ver: 

http://www.thehypertexts.com/Mahmoud%20Darwish%20Poet%20Poetry%20Picture%20Bio.htm  (Consultado em 28.03.2021)

2 – Agradeço essa informação que obtive de Waldo Mermelstein, histórico militante internacionalista e socialista.

3 – O Direito ao Retorno foi estabelecido pela Resolução 194 da Assembleia Geral da ONU e aprovada em 11 de dezembro de 1948. Mas é desrespeitado constantemente por Israel. 

4 – https://caminhosdorefugio.com.br/tag/palestinos(Consultado em 29.03.2021).

5 – Ver https://esquerdaonline.com.br/2018/05/15/nakba-70-anos-depois-bandeira-da-palestina-livre-tremula-em-gaza/ (Consultado em 29.03.2021).

6 – Novamente agradeço a Waldo Mermelstein pelas valiosas informações.

7 – Segundo informação trazido pelo site Monitor do Oriente a população de colonos ilegais na Cisjordânia ocupada aumentou 42% desde 2010, segundo relatório de 09.03.2021 emitido pelas ongs israelenses B’Tselem e Kerem Navot. Há agora 440 mil colonos nos assentamentos ilegais, exclusivamente judaicos espalhados por toda a Cisjordânia, sem contar ainda os assentamentos em Jerusalém Oriental. Ver https://www.monitordooriente.com/20210310-numero-de-colonos-ilegais-na-palestina-cresce-42-desde-2010/ (Consultado em 29.03.2021)

8 – Para uma visão acerca da defesa de um só Estado Palestino ver o artigo de Waldo Mermelstein  “Após Gaza, ainda é possível pensar em dois estados”? in Revista da Resistência/PSOL. Ago-set., de 2018, p. 28-29. Ver também o artigo do Professor antisionista Ilan Pappe, em https://esquerdaonline.com.br/2018/04/26/palestina-professor-ilan-pappe-e-a-iniciativa-comum-por-um-so-estado-democratico/ (Consultado em 29.03.2021)

9 – Ramon Pedregal Casanova, “30 de marzo, Día de la Tierra Palestina” em https://rebelion.org/30-de-marzo-dia-de-la-tierra-palestina/ (Consultado em 29.03.2021)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s