Que tipo de rebelião salvará a humanidade da extinção? (Parte 2)

Esta é a segunda parte do artigo de Pip Henman, originalmente publicado no Green Left Weekly (Austrália) a 2 de Agosto de 2019. Ainda que em alguns aspectos esteja desactualizado, naquilo que é mais importante mantém a sua actualidade e pode ser útil, no contexto do regresso das mobilizações climáticas.

Tradução: Manuel Afonso

Estratégia anticapitalista

Houve um tempo em que muitos ativistas do clima se afastariam dessa conclusão. Mas isso está a mudar.

Os ativistas do movimento global School Strike 4 Climate adotaram como seu próprio slogan “mudar o sistema, não o clima”. Muitos no movimento Extinction Rebellion (XR) concordam, mesmo que o movimento não inclua mudanças no sistema no seu programa.

Há também ativistas nos Partidos Verdes que pensam o mesmo, mesmo que o programa do partido ainda não reflita isso. Mas esse sentimento desenvolveu-se para além da crescente consciencialização dos poderosos interesses que o movimento climático enfrenta e dos slogans “mudar o sistema” em cartazes?

Existe uma estratégia emergente que está à altura desse desafio e que conquistou um consenso significativo em movimento? Não. Mas o movimento procura táticas que poderiam se tornar parte de uma estratégia anticapitalista eficaz. O movimento grevista climático estudantil está alcançando – com sucesso crescente – trabalhadores e sindicatos para se juntarem à próxima greve climática global em 20 de setembro.

Assim como existe uma aliança tóxica de interesses capitalistas que bloqueia uma resposta adequada dos Governos à emergência climática, o cerne de qualquer estratégia anticapitalista deve ser a construção de uma contra-aliança eficaz.

Os capitalistas têm sua riqueza e poder, mas em última análise, é pouco o que podem fazer se os empregados se recusarem a trabalhar para eles.

Haverá desafios políticos para a inclusão dos sindicatos no dia 20 de setembro. As lideranças da maioria dos sindicatos têm a mesma perspectiva pró-capitalista que os políticos trabalhistas. Muitos apoiam a mina de carvão Adani (entre outras), porque supostamente criarão empregos. Eles também apoiam a expansão de gás da Austrália pelo mesmo motivo.

Uma maneira de combater isso é trazer a ideia de Justiça Climática e torná-la uma parte crítica do foco do movimento. O novo movimento climático liderado por jovens destacou a Justiça Climática – a noção de que não estamos todos juntos nisso. Desigualdades na riqueza e nas diferenças de classe dentro dos países terão impacto na maneira como as pessoas lidam – ou não – com a mudança climática.

Mas a Justiça Climática precisa ir além do que ser mais um slogan. O movimento climático precisa defender medidas reais que gerem empregos e meios de subsistência decentes. Isso significa mais do que promessas abstratas de novos empregos em indústrias renováveis. Ela precisa pressionar por uma expansão do investimento público em habitação, saúde e educação, e rejeitar a loucura da privatização que tornou a vida mais miserável para a maioria dos trabalhadores.

O movimento precisa argumentar que a sociedade não deve ser refém de interesses empresariais voltados para o lucro e que os nossos principais recursos devem ser colocados sob controlo e propriedade coletiva.

A urgência da crise climática atrairá mais e mais ativistas para ações “radicais” porque “o tempo está se a esgotar”.

O XR tem como principal tática a desobediência civil em massa e mantém a esperança de que tais ações forcem os governos a sentar-se à mesa. Se este movimento persistir, aprenderá que a classe dominante, mesmo no país capitalista mais democrático, usará o poder de sua polícia e outras forças armadas para proteger seus interesses.

Aprenderá que o poder real da desobediência civil em massa não é seu poder de chocar os poderosos para que escutem o movimento, mas sim seu potencial para pôr em ação as massas de pessoas em que os poderosos confiam para manter os seus negócios a funcionar.


Soluções urgentes 

A urgência da crise climática tem impulsionado a busca por “novas” soluções. Não há tempo para construir um novo sistema, tem sido argumentado.

Alguns defensores do clima sugeriram, de forma bastante abstrata, que fazer alianças com os setores de segurança e inteligência poderia forçar os governos a se corrigirem. Eles encontram falsas esperanças no fato de que os militares estão a reconhecer a crise climática e a fazer planos de contingência. O mesmo se aplica à indústria de seguros – mas isso não faz dela um aliado estratégico do movimento climático.

Outros têm defendido um New Deal “Verde”. Mas os críticos notaram que, a menos que os trabalhadores e as comunidades estejam ativamente envolvidos na luta por novos empregos e indústrias sustentáveis, tal plano representará apenas um “enverdecimento” do capitalismo.

John Bellamy Foster, professor de sociologia dos EUA, diz que o New Deal Verde proposto pelo político democrata norte-americano Alexandria Ocasio-Cortez tem valor, mas apenas se for “o ponto de entrada para… uma mudança mais ampla e eco-revolucionária”.


Bellamy Foster explicou:

Temos que ir contra a lógica do sistema mesmo enquanto vivemos dentro dele. Não existem soluções meramente tecnológicas para o problema climático, embora as inovações tecnológicas sejam necessárias ”.

A longo prazo, temos que ter uma revolução ecológica e social completa, transcendendo as relações capitalistas de produção existentes. Temos que atingir zero de emissões líquidas de carbono globalmente até 2050, e enquanto estivermos comprometidos em perseguir a lógica do lucro à frente das pessoas e do planeta, chegar lá é impossível ”.

Para um planeta habitável, temos que reduzir as emissões globais de carbono em 3% ao ano. Qualquer solução viável envolve uma grande incursão nos direitos de propriedade da classe capitalista.

Em outras palavras, a própria urgência da análise exclui as “soluções de mercado” dentro de um sistema que criou essa crise.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s